Você deve conhecer vários casos de relacionamentos tóxicos, isto é, quando as pessoas vivem uma relação que faz mais mal do que bem, geralmente prejudicando um dos dois. Há quem faça o papel do dominador-intoxicador e quem seja o dominado, vítima de situações difíceis de identificar e resolver. Algumas pessoas repetem o padrão de entrar em relacionamentos deste tipo, até porque, muitas vezes, nem conseguem perceber que a vida não vai bem. Mas para te ajudar a desintoxicar desse tipo de relação, aqui estão algumas dicas que podem ajudar na identificação desse tipo de amor que não faz nada bem. Acompanhe!

Identificando algumas características do relacionamento tóxico

Quando uma das pessoas da relação acha que pode mudar a outra, geralmente dispara uma série de comportamentos tóxicos. O outro torna-se objeto de críticas, às vezes duras e em público, além de outros elementos como o ciúme, a desvalorização, o isolamento social e a raiva. O par que vem sofrendo esse tipo de violência simbólica — que não é física, mas é tão ruim quanto — pode demorar a reagir e mesmo não conseguir sair da situação.

São comuns, nesse tipo de relação doente, constrangimentos, discussões desproporcionais, acusações e críticas exageradas. Seu parceiro ou sua parceira pensa que é seu dono? Tenta controlar seu jeito de falar, vestir-se ou comer? Demonstra ciúmes exagerados? Vive corrigindo você na frente dos outros? Separa você dos seus amigos? Comportamentos assim certamente deixam você triste e sentindo-se mal. Então é hora de parar.

Dando chances à sua autoestima

Com tanta crítica e abuso, a autoestima de quem está sendo intoxicado pode ficar em frangalhos. Isso exige muito esforço identificar e sair de situações assim. Geralmente, as pessoas que sustentam esse tipo de relação, mesmo quando são vítimas, têm medo de ficar sozinhas e estão viciadas nesse tipo de processo doentio. É preciso se conhecer bastante e saber o que é bom em você: gostar-se, afinal. Ter a autoestima em dia ajuda na hora de tomar decisões a seu próprio favor.

Desintoxicando-se, um processo

Pode ser ótimo começar tentando identificar situações que deixam você muito mal. Cenas de crítica explícita ou de ciúme controlador costumam ser difíceis de engolir, causando constrangimento, mágoa e raiva. Isso é péssimo sinal, mas é pode ser o que faltava para você concluir que pode viver uma vida de mais qualidade. Identifique isso, assuma que as coisas não vão bem e tome uma atitude firme.

Diga não à relação que vai mal, diga não ao agente intoxicador, expresse sua insatisfação e dê-se uma chance. Peça a ajuda de amigos de verdade, segure-se nas pessoas em quem pode confiar, não ceda às eventuais tentativas de sedução do intoxicador e deixe o tempo passar. A vida traz sempre novas chances a quem permite.

Evitando a repetição do padrão

O detox dessa vida amorosa viciada e doentia pode ser doloroso também, mas, com pouco tempo, virá o alívio. Também é comum que as pessoas que conseguiram sair de relacionamentos tóxicos demorem a se sentir abertas a novas experiências. Isso faz parte do jogo da regeneração, mas não deve durar para sempre. É importante ficar atento para não repetir padrões. Ao menor sinal de relacionamento doentio, pule fora.

Conhece ou já viveu relacionamentos tóxicos? Venha contar para nós através dos comentários e contribuir com suas experiências!

Compartilhe com suas amigas:


Dra. Vânia Machado
Dra. Vânia Machado

Eu sou a Drª Vania Machado, psicóloga terapeuta sexual, mestre em psicopatologia clinica e psicologia da saúde. Há mais de 20 anos venho ajudando as mulheres a recuperar seu desejo sexual e já perdi a conta de quantos casamentos foram salvos de ir por água abaixo por causa de brigas e traições que começaram com um simples problema conjugal. Atualmente ajudo mulheres de todas as idades superarem crises no relacionamento e disfunções sexuais. Precisa de ajuda profissional? clique aqui e marque uma consulta comigo.